pele-oleosa
Uma das preocupações clássicas dos cosméticos é a hipersecreção de sebo.
Além disso, está intimamente ligado ao aparecimento de poros dilatados, pontos pretos e acne.

 

No post de hoje, tudo para #SkintellectualsTCL em pele oleosa, formação de sebo, regulação de sua secreção e opções de tratamento.

Glândulas sebáceas: anatomia e localização

As glândulas sebáceas estão localizadas na derme (segunda camada da pele), aderidas aos folículos capilares (as "fábricas" dos cabelos). Juntos, eles formam as Unidades Pilossebáceas, onde também se encontra o músculo eretor do cabelo e, às vezes, a saída das glândulas sudoríparas1,2.

 

As glândulas sebáceas variam em tamanho e as grandes são lobuladas3. Eles se comunicam com o folículo por meio de um duto através do qual secretam para o exterior o sebo que produzem. A sebo cobre o cabelo e é despejada na superfície da pele através do poro pelo qual o cabelo segue para o exterior1,2. Isso se aplica à pele de todo o corpo, exceto nas palmas das mãos e na planta dos pés, que não possuem Unidades Pilossebáceas4,5.
unidades-pilossebáceas
As glândulas sebáceas são encontradas principalmente no couro cabeludo e na face, com densidade de 400-900 glândulas/cm2 de pele. Outros locais de alta densidade são o tórax e as costas6.

Como se forma o sebo?

As células que constituem a glândula sebácea são chamadas de sebócitos. Os sebócitos são responsáveis ​​por produzir lipídios (gordura) e armazená-los em seu interior. Ao morrer, liberam esse conteúdo, formando a oleosidade, que chegará então à superfície da pele1,7.
glândula-sebácea

Como a secreção de sebo varia ao longo da vida?

As glândulas sebáceas são ativas desde a vida intrauterina (onde são estimuladas pelos hormônios maternos que atravessam a placenta) e são protagonistas durante o nascimento: secretam parte do vérnix caseoso, que é a substância esbranquiçada que reveste o bebê. A seguir, cessam sua atividade na infância e a retomam na adolescência, quando atinge o seu máximo1. Sua atividade diminui novamente na vida adulta, diminuindo para 40% por volta dos 60 anos nas mulheres e 70 anos nos homens9,10.
produçâo-sebo

O que o sebo contém?

É uma substância clara-amarelada composta por1:

 

  • 41% triglicerídeos, com propriedades antibacterianas e antiinflamatórias11. Vale esclarecer que os que estão dentro da glândula não são os mesmos que estão na superfície da pele, pois a microbiota os está consumindo1,4.
  • 26% de ésteres de cera, produzida exclusivamente pelas glândulas sebáceas1,4.
  • 16% de ácidos graxos livres1,4, sendo o Ácido Sapiênico o principal antimicrobiano de superfície cutânea5,11.
  • 12% esqualeno, um lipídio antioxidante, emoliente e reparador12,13, que também é produzido exclusivamente pelas glândulas sebáceas1,4.
  • 4,5% de colesterol e ésteres de colesterol1,14.

 

Vale esclarecer que, ao atingir a superfície da pele, o sebo se mistura com outros lipídios da pele Stratum Corneum (ceramidas, etc.)5.

Para que serve o sebo?

Por um lado, são atribuídas várias funções importantes:
  • Impermeabilizar a pele1.
  • Manter o seu tão importante pH ácido (ou "manto ácido")15.
  • Ter ação antimicrobiana, participando da imunidade1,11.
  • Fortalece a barreira da pele, adicionando hidratação1.
  • Prevenir dano e fotoenvelhecimento, graças a antioxidantes que o compõem2 (na verdade, sugere-se que isso explica porque as áreas laterais da testa apresentam rugas mais marcadas do que o centro, onde a produção de sebo é maior16).
  • Regular a temperatura corpo, agindo em sinergia com as glândulas sudoríparas (quando está quente, o sebo mantém o suor na pele por mais tempo, para que cumpra sua função de resfriamento; quando está frio, o sebo aumenta seu conteúdo lipídico17,18).

 

No entanto, e apesar das evidências a favor da participação do sebo em todos esses processos, sua missão não é totalmente compreendida. O fato de as crianças viverem bem sem sebo e de as palmas e plantas dos pés passarem sem ele levanta questões sobre o quão necessário e realmente benéfico ele é1,6.

Que fatores afetam a produção de sebo?

São muitos os fatores que afetam e é por isso que sua produção é altamente variável de pessoa para pessoa.
    • Andrógenos: Os hormônios “masculinos” promovem a diferenciação sebocitária, sua progressão para necrose e, portanto, secreção de sebo1,2. Por esse motivo, os homens tendem a ter pele mais oleosa do que as mulheres9,19. Algo interessante é que andrógenos são produzidos, em parte, pelos próprios sebócitos4.
    • Progesterona: Nas mulheres, a produção de sebo aumenta durante a ovulação por um aumento nos níveis de progesterona9.

       

      Você pode ler tudo sobre os efeitos de hormônios sexuais na pele em nossa postagem Ciclo menstrual e anticoncepcionais: seus efeitos na pele.

 

  • Gravidez e amamentação: Durante a gravidez e lactação, aumenta a produção de sebo, dado o aumento dos hormônios progesterona e prolactina, respectivamente1.
  • O hipertireoidismo nas mulheres está associado a um aumento na produção de sebo1.
  • Alimentação: Dietas ricas em álcool, açúcar, laticínios e carne pioram a pele oleosa, enquanto dietas ricas em fibras, frutas e vegetais melhoram2.
  • Idade: A secreção máxima de sebo ocorre entre os 15 e os 35 anos2,22.
  • Clima: Quanto maiores as temperaturas e a umidade, maioré a produção de sebo. Sugere-se que a cada grau (°C) de aumento da temperatura, a quantidade de sebo aumente em 10%2,9.
  • O estresse emocional contribui para a produção de sebo e para a exacerbação de condições como dermatite seborreica e acne1.
  • O sistema endocanabinóide também participa da regulação da produção de sebo. Enquanto os endocanabinóides promovem a sua produção, sugere-se que o CBD (uma fitocanabinóide) poderia reduzi-la1. No entanto, é um ativo que continua a ser estudado.

Problemas relacionados à produção de sebo

O sebo pode causar complicações devido à sua quantidade e composição.

 

  • Quantidade: Quando a sua quantidade é excessiva, gera a sensação de desconforto típica da “pele oleosa”8 (embora, felizmente, cada vez mais pessoas procurem ter uma pele luminosa e dewy).
  • Composição: Alterações na composição do sebo estão ligadas a diferentes condições da pele, como rosácea, psoríase e acne1.

Sebo e poros dilatados

A hipersecreção de sebo é a principal causa do aumento dos poros na zona T23.
Você pode ler mais sobre o assunto em nossa postagem Poros dilatados: o que você precisa saber.

Sebo e acne

As áreas do corpo com a maior densidade de Unidades Pilossebáceas são as mais propensas a acne (rosto, peito, costas)9. A acne é uma doença inflamatória da Unidade Pilossebácea24, que é causada por três fatores25:

 

  • Hipersecreção de sebo
  • Queratinização anormal (resultando em poros obstruídos e acúmulo de sebo)
  • Colonização do poro obstruído por bactérias Cutibacterium acnes

 

Ou seja, o aumento da produção de sebo é uma condição necessária, mas não suficiente para desencadear a acne.

 

Saiba tudo sobre esse assunto em nossa postagem Tudo que você precisa saber sobre acne.

 

Um fato interessante é que as unidades pilossebáceas que contêm cabelos grossos (como os do couro cabeludo) são "protegidas" contra a acne. Isso se deve ao fato de o cabelo ocupar todo o espaço de saída do ducto, evitando o acúmulo de sebo a esse nível e consequente infecção pela bactéria Cutibacterium acnés4.

Sebo e rosácea

O sebo das peles com rosácea contém menor quantidade de lipídios que favorecem a função de barreira da pele11. Por este motivo, é mais vulnerável a estímulos que para outras peles são inócuos.

 

Sebo e psoríase

As lesões de psoríase contêm glândulas sebáceas atróficas (reduzidas) e seu sebo tem características particulares, que se correlacionam com a gravidade da psoríase11.

Tratamento de pele oleosa

Quem tem pele oleosa sabe que nem sempre é fácil equilibrar a produção de sebo. No entanto, existem várias opções de tratamento que podem ser tentadas9.

 

  • Retinóides: Derivados da vitamina A (Retinol, Adapaleno, Tretinoína) são bem conhecidos por normalizar o funcionamento e a composição da pele. Eles reduzem a produção de sebo, retardando a progressão dos sebócitos para a necrose9.
  • Niacinamida: Sinônimo de Vitamina B3 e uma das estrelas para o tratamento da pele oleosa! Embora os mecanismos pelos quais equilibra a secreção sebácea não sejam bem compreendidos, resultados favoráveis já são vistos após 2 semanas de tratamento em concentrações de 2% ou mais.
    Na TCL, formulamos nossa Niacinamida 10% junto a Gluconato de zinco (outro ativo regulador de sebo26) em nosso Booster VIT-B3/Zn2+ PLUS9,27.
Booster VIT-B3/Zn plus- The Chemist Look
  • Ácido salicilico: Reduz a produção de sebo, é antiinflamatório e, por ser lipofílico, limpa e refina os poros. É um dos melhores aliados para quem tem pele oleosa28.
    Encontre este ativo em nosso Tônico Esfoliante SA.
  • Chá verde: Além de ser antioxidante e de ajudar a prevenir danos, também demonstrou ajudar a equilibrar as peles oleosas.
    Encontre este ativo em nosso Tônico Esfoliante SA.
tonico-esfoliante-sa-the-chemist-look
  • Óleo de argan: Equilibra a produção de sebo em Pele oleosa, além de hidratar, reparar e fortalecer a barreira da pele29.
  • L-carnitina: Aplicado topicamente a 2%, demonstrou equilibrar a produção de sebo9.
  • Alfa-hidroxiácidos ou AHA (Ácido glicólico, Ácido mandélico): Diminuem a produção de sebo, além de serem ceratolíticos e beneficiam a pele acneica30.
    Encontre esses AHAs em nossos tônicos esfoliantes GA e MA.
Tónico Exfoliante GA - The Chemist LookTónico Exfoliante MA - The Chemist Look
  • Mesmo que a pele não pareça seca, é importante hidratá-la diariamente para fortalecer a barreira cutânea. Conheça o Hidratante para Pele oleosa.

Dicas para pele oleosa da Academia Americana de Dermatologia

  • Lave o rosto com um sabonete suave que não agrida à barreira cutânea32. Usar sabonetes fortes só irá promover a produção de ainda mais sebo33.
  • Evite produtos com fragrância e álcool33.
  • Evite os scrubs, o que pode irritar sua pele33.
  • Escolha produtos que esclareçam ser não comedogênicos33.
  • Mesmo que você não sinta que sua pele está seca, lembre-se de hidratar diariamente. De manhã, escolha um hidratante com protetor solar33.
  • Se você usa maquiagem, escolha maquiagem à base de água e não óleo33.
  • Durante o dia, você pode pressionar suavemente o rosto com toalhas de papel para absorver o excesso de sebo33.

 


Esperamos que tenha sido útil! Estamos à disposição para qualquer esclarecimento!

 

The Chemist Look Team

 

  1. Clayton RW, Langan EA, Ansell DM, Vos IJHM, Göbel K, Schneider MR, et al. Neuroendocrinology and neurobiology of sebaceous glands. Biol Rev Camb Philos Soc. 2020 Jan 22.
  2. Shuo L, Ting Y, KeLun W, Rui Z, Rui Z, Hang W. Efficacy and possible mechanisms of botulinum toxin treatment of oily skin.J Cosmet Dermatol. 2019 Apr;18(2):451-457.
  3. Kure, K., Isago, T., & Hirayama, T. (2015). Changes in the sebaceous gland in patients with male pattern hair loss (androgenic alopecia). Journal of Cosmetic Dermatology, 14(3), 178–184.
  4. Shannon JF. Why do humans get acne? a hypothesis. Medical Hypotheses. 2019; 134.
  5. Ludovici M, Kozul N, Materazzi S, Risoluti R, Picardo M, Camera E. Influence of the sebaceous gland density on the stratum corneum lipidome. Sci Rep. 2018; 8: 11500.
  6. Marks JG, Miller JJ. Lookingbill and Marks' Principles of Dermatology (Sixth Edition). Elservier, 2019.
  7. Chu DH, Loomis CA. Fetal and Neonatal Physiology (Fifth Edition). Elservier, 2017.
  8. Schaller M, Plewig G. Structure and function of eccrine, apocrine, and sebaceous glands. In: Bolognia JL, Jorizza JL, schaffer JV, editors. Dermatology. 3rd ed. Elsevier; 2012. 539 pp.544 pp.
  9. Endly DC, Miller RA. Oily Skin: A review of Treatment Options. J Clin Aesthet Dermatol. 2017 Aug; 10(8): 49–55.
  10. Jung HJ, Ahn JY, Lee JI, et al. Analysis of the number of enlarged pores according to site, age, and sex. Skin Res Technol. 2018;00:1–4.
  11. Lovászi M, Szegedi A, Zouboulis CC, Törőcsika D. Sebaceous-immunobiology is orchestrated by sebum lipids. Dermatoendocrinol. 2017; 9(1): e1375636.
  12. Kostyuk V, et al. Photo-Oxidation Products of Skin Surface Squalene Mediate Metabolic and Inflammatory Responses to Solar UV in Human Keratinocytes. PLoS One, vol. 7, no. 8, pp. 1–11, 2012.
  13. Kim SK, Karadeniz F. Biological Importance and Applications of Squalene and Squalane, 1st ed., vol. 65. Elsevier, 2012.
  14. M. Picardo, M. Ottaviani, E. Camera, A. Mastrofrancesco. Sebaceous gland lipids. Dermatoendocrinol. 2009 Mar-Apr; 1(2): 68–71.
  15. Ali SM, Yosipovitch G. Skin pH: from basic science to basic skin care. Acta Derm Venereol. 2013 May;93(3):261-7.
  16. Tamatsu Y, Tsukahara K, Sugawara Y, Shimada K. (2015). New finding that might explain why the skin wrinkles more on various parts of the face. Clinical Anatomy, 28(6), 745–752.
  17. Zouboulis CC. (2004). Acne and Sebaceous Gland Function. Clinics in Dermatology 22 (5): 360-366.
  18. Porter AM (2001). Why do we have apocrine and sebaceous glands?. J R Soc Med 94 (5): 236-7.
  19. Kim M.K, Patel R.A, Shinn A.H, et al. Evaluation of gender difference in skin type and pH. J Dermatol Sci. 2006;41:153-156.
  20. Raghunath RS, Venables ZC, Millington GW. The menstrual cycle and the skin. Clin Exp Dermatol. 2015 Mar;40(2):111-5.
  21. Tyler KH, Zirwas MJ. Contraception and the dermatologist. J Am Acad Dermatol. 2013 Jun;68(6):1022-9.
  22. De Melo MO, Maia Campos. (2018). Characterization of oily mature skin by biophysical and skin imaging techniques. Skin Research and Technology, 24(3), 386–395.
  23. Jung HJ, Ahn JY, Lee JI, Bae JY, Kim HL, Suh HY, Youn JI, Park MY. Analysis of the number of enlarged pores according to site, age, and sex. Skin Res Technol. 2018 Aug;24(3):367-370.
  24. Tuchayi SM, et al. Acne vulgaris. Nat. Rev. Dis. Prim. 1, 15029 (2015).
  25. Dréno, B. What is new in the pathophysiology of acne, an overview. J. Eur. Acad. Dermatology Venereol. 31, 8–12 (2017).
  26. Brandt S. The clinical effects of zinc as a topical or oral agent on the clinical response and pathophysiologic mechanisms of acne: a systematic review of the literature. J Drugs Dermatol. 2013 May;12(5):542–5.
  27. Draelos ZD, Matsubara A, Smiles K. The effect of 2% niacinamide on facial sebum production. J Cosmet Laser Ther. 2006;8:96–101.
  28. Lu J, Cong T, Wen X, Li X, Du D, He G, Jiang X. Salicylic acid treats acne vulgaris by suppressing AMPK/SREBP1 pathway in sebocytes. Exp Dermatol. 2019 Jul;28(7):786-794.
  29. AR Vaughn, AK Clark, RK Sivamani, VY Shi. Natural Oils for Skin-Barrier Repair: Ancient Compounds Now Backed by Modern Science. Am J Clin Dermatol. 2018 Feb;19(1):103-117.
  30. Kim, S. J., Baek, J. H., Koh, J. S., Bae, M. I., Lee, S. J., & Shin, M. K. (2015). The effect of physically applied alpha hydroxyl acids on the skin pore and comedone. International Journal of Cosmetic Science, 37(5), 519–525.
  31. Hong JY, Park SJ, Seo SJ, Park KY. (2020). Oily sensitive skin: A review of management options. Journal of Cosmetic Dermatology.
  32. Goodman G. Cleansing and Moisturizing in Acne Patients. Am J Clin Dermatol 2009; 10 Suppl. 1: 1-6.
  33. American Academy of Dermatology. How to control oily skin.
Pele oleosa / poros dilatados / acne

Deixe um comentário

Todos os comentários são moderados antes de serem publicados.