acne

A acne é uma doença que a pele pode afetar tanto na adolescência como na idade adulta.

Algumas pessoas conseguem resolvê-la de forma simples, mas outras lutam há anos e não conseguem erradicá-la completamente. Além disso, não é apenas o estágio ativo da acne que é um problema, mas também as cicatrizes e a hiperpigmentação que geralmente ela deixa para trás.

É um assunto bastante estudado e para o qual existem várias soluções disponíveis.

O que é a acne?

É um dos problemas cutâneos mais comuns1, e é definido como uma doença inflamatória da unidade pilossebácea (composta pelo folículo piloso e pela glândula sebácea2.

glândula sebácea

Existem três coisas que ocorrem e que fazem com que a acne apareça3:

  • O excesso de secreção de oleosidade (das glândulas sebáceas).
  • A queratinização anormal (resultando em poros obstruídos e acúmulo de oleosidade).
  • A colonização do poro obstruído pela bactéria Cutibacterium acnes.

Acne combina dois tipos de lesões: Não inflamatórias e inflamatórias.

  • As não inflamatórias são aquelas decorrentes da hipersecreção de oleosidade e seu acúmulo no poro obstruído. São os chamados cravos e incluem os famosos “pontos pretos” e às erupções menores e mais sólidas.
  • As lesões inflamatórias se formam quando a bactéria Cutibacterium acnes infecta o poro obstruído e incluem pápulas e pústulas, que são acompanhadas por sinais de inflamação (vermelhidão, inchaço e pus).

Graus de severidade

Nem todos os tipos de acne se apresentam da mesma forma e não existe uma escala única para classificar a gravidade (existem várias). Mas, falando de maneira geral4:
  • As formas mais leves aparecem apenas no rosto com cravinhos.
  • As formas moderadas incluem pápulas e pústulas.
  • As formas mais graves aparecem cistos e abscessos e invadem o pescoço e o tronco.

Que fatores aumentam a probabilidade de ter acne?

Um estudo comparou características entre pacientes com e sem acne, e observou que os fatores associados ao seu aparecimento foram5:
  • História familiar de acne de primeiro grau (pais, irmãos, filhos).
  • Alto índice de massa corporal (IMC).
  • Certos hábitos alimentares (especialmente o consumo de leite).
Outro estudo identificou fatores que pioraram a acne adulta:

Os hormônios desempenham um papel importante no aparecimento da acne, o que não deixa de ser um assunto complexo. Embora os andrógenos (hormônios sexuais masculinos) possam aumentar a produção de oleosidade na pele7, algumas mulheres com acne adulta têm valores normais (ou seja, não têm hiperandrogenismo). Portanto, presume-se que não apenas os níveis de andrógenos influenciam, mas também a sensibilidade a eles que cada pele apresenta8.

O papel dos estrogênios e da progesterona (hormônios sexuais femininos) é menor claro, mas é geralmente aceito que os estrogênios melhoram a acne (devido à sua atividade anti-androgênica). É por isso que os anticoncepcionais hormonais combinados (com estrogênio + progesterona) podem beneficiar a pele acneica.

É importante esclarecer que, ao iniciar um tratamento com anticoncepcionais hormonais combinados, pode-se observar melhora da pele oleosa após o primeiro mês de uso, enquanto para perceber melhora da acne é necessário esperar pelo menos 3 meses9.

A progesterona, por outro lado, é o contrário: Às vezes pode ter uma atividade semelhante à dos andrógenos, agravando a acne10. Por esse motivo, alguns métodos anticoncepcionais apenas com progesterona - não combinados com estrogênios - tendem a piorar a acne.

Você pode ler tudo sobre isso em nosso post: Ciclo menstrual e anticoncepcionais: seus efeitos na pele.

Quais as diferenças entre a acne convencional e a acne adulta?

A acne comum geralmente se resolve por volta dos 20-25 anos de idade, enquanto a acne adulta é definida como aquela que se apresenta após os 25 anos de idade. Ela pode ser persistente (não sair após a adolescência) ou de início tardio (aparecer após os 25 anos)6.
É mais comum em mulheres, tende a ser mais resistente ao tratamento do que a acne na adolescência e deixa mais cicatrizes1. Existem algumas diferenças em como é apresentado cada subtipo:
  • A acne na adolescência geralmente se manifesta nas bochechas e no tronco.
  • A acne adulta persistente geralmente está localizada no terço inferior da face, na área da mandíbula e no pescoço.
  • A acne adulta de início tardio geralmente ocorre ao redor da boca e no queixo.
Tanto adolescentes quanto adultos podem apresentar lesões inflamatórias e não inflamatórias, mas na acne adulta predominam as inflamatórias8.

Tratamentos

Muitos estão disponíveis e, de maneira geral, procuram prevenir a formação de lesões atacando suas causas (sebo, queratinização anormal e infecção). Para os casos leves, os tratamentos tópicos (cremes) são preferidos, para os moderados tratamentos orais com antibióticos ou hormônios, e para os casos graves, o tratamento oral com isotretinoína8 (conhecido como Roaccutan®) é o mais conhecido.

Tópicos

Alguns desses produtos, como peróxido de benzoíla, antibióticos e alguns retinoides, são vendidos exclusivamente com receita médica, por isso é fundamental consultar um dermatologista.

No entanto, existem opções cosméticas que podem ser usadas para tratar a acne, como ácido salicílico, ácido mandélico, ácido glicólico, ácido azelaico e alguns retinóides como o retinol.

tonico-esfoliante-sa-the-chemist-lookTónico Exfoliante GA - The Chemist LookTónico Exfoliante MA - The Chemist Look

Algumas considerações importantes:

  • No caso dos retinóides, é fundamental saber que sua utilização é contra-indicada durante a gravidez e lactação.
  • Retinóides e peróxido de benzoíla não devem ser usados ​​durante a exposição ao sol. No verão, sua suspensão é geralmente recomendada.
  • O uso de ácidos esfoliantes, como ácido mandélico, ácido glicólico, ácido salicílico e ácido azelaico, devem ser acompanhado da aplicação diária de protetor solar FPS 30 ou maior, e evitar exposição prolongada ao sol.
  • O peróxido de benzoíla mancha! Cuidado com os lençóis e até com os cabelos

Antibióticos orais e tratamentos hormonais

São a segunda etapa do tratamento, recomendada para acne moderada a grave e para os casos que não melhoram com tratamentos tópicos. Inclui antibióticos orais, tratamentos hormonais e isotretinoína oral (derivada da vitamina A). Esses tratamentos exigem receita médica e devem ser rigorosamente controlados por um médico.

Finalmente, o que fazer com as cicatrizes deixadas pela acne?

  • Se você tem cicatrizes, pode tentar melhorá-las usando produtos tópicos, como retinóides ou ácido glicólico. Você também pode realizar peelings ou tratamentos a laser. Todos têm eficácia comprovada em melhorá-las.
  • Se as cicatrizes corresponderem a áreas hiperpigmentadas (mais escuras), pode-se tentar o uso de produtos despigmentantes como: ácido azelaico, vitamina C ou vitamina B3 (niacinamida). Produtos de retinol também ajudam.
Booster VIT-C/FE - The Chemist Look Booster VIT-B3/Zn plus- The Chemist Look
Esperamos que este post tenha sido útil para você. Estamos à disposição para qualquer dúvida ou esclarecimento. :)

 

The Chemist Look Team

 


  1. Wilmer, E. N., Gustafson, C. J., Davis, S. A., Feldman, S. R. & Huang, W. W. Most common dermatologic conditions encountered by dermatologists and nondermatologists. Cutis 94, 285–292 (2014).
  2. Tuchayi, S. M. et al. Acne vulgaris. Nat. Rev. Dis. Prim. 1, 15029 (2015).
  3. Dréno, B. What is new in the pathophysiology of acne, an overview. J. Eur. Acad. Dermatology Venereol. 31, 8–12 (2017).
  4. Thappa, D., Adityan, B. & Kumari, R. Scoring systems in acne vulgaris. Indian J. Dermatol. Venereol. Leprol. 75, 323 (2009).
  5. Di Landro, A. et al. Family history, body mass index, selected dietary factors, menstrual history, and risk of moderate to severe acne in adolescents and young adults. J. Am. Acad. Dermatol. 67, 1129–1135 (2012).
  6. Chlebus, E. & Chlebus, M. Factors affecting the course and severity of adult acne. Observational cohort study. J. Dermatolog. Treat. 1–8 (2017). doi:10.1080/09546634.2017.1329500
  7. Kurokawa, I. et al. New developments in our understanding of acne pathogenesis and treatment. Exp. Dermatol. 18, 821–832 (2009).
  8. Vera, N., Patel, N., Cardwell, L. A., Saleem, M. & Feldman, S. R. Chemical pharmacotherapy options for managing adult acne. Expert Opin. Pharmacother. 18, 263–273 (2017).
  9. Vera N, Patel N, Cardwell LA, Saleem M, Feldman SR. Chemical pharmacotherapy options for managing adult acne. Expert Opin Pharmacother. 2017 Feb;18(3):263-273.
  10. Barros, B., Thiboutot, D. Hormonal therapies for acne. Clin. Dermatol. 35, 168–172 (2017).
  11. Khunger, N., Kumar, C. A clinico-epidemiological study of adult acne: is it different from adolescent acne? Indian J. Dermatol. Venereol. Leprol. 78, 335–341 (2012).
Pele oleosa / poros dilatados / acne

Deixe um comentário

Todos os comentários são moderados antes de serem publicados.