pessoa usando uma máscara

Este 2020 a pandemia COVID-19 nos acostumou a várias coisas novas: trabalho remoto, ensino a distância, reuniões pelo Zoom... e a máscara, inevitável, que tornou-se um acessório fundamental a fim de diminuir o risco de contágio junto a outras medidas, como lavagem frequente das mãos e distanciamento social.

Porém, há quem sinta certos efeitos negativos do uso da máscara no nível da pele, como lesões, irritações ou maskné (espinhas associadas ao uso de máscara). Embora pensemos que ainda não haveria muitas informações científicas, encontramos vários estudos que já foram realizados (tanto na população em geral quanto em profissionais de saúde).

Em linhas gerais, é descrito que, devido à pressão, fricção e aumento da temperatura e umidade, a máscara pode danificar a barreira cutânea, causando ardor, coceira, vermelhidão, bolhas, úlceras ou ressecamento da pele. Aqueles com pele sensível ou condições pré-existentes (rosácea, acne, dermatite) são mais suscetíveis. Para evitar esses danos, várias coisas podem ser feitas: descanse da máscara quando possível, troque entre diferentes modelos e materiais, hidrate a pele antes, durante e após o uso e evite irritantes que sensibilizam ainda mais a pele.

Neste post, tudo para SkintellectualsTCL sobre a importância do uso de máscara, seus efeitos na pele e dicas para evitar danos.

Primeiro, por que usar uma máscara?

O uso de máscara tem como objetivo, em termos gerais, reduzir as chances de contágio de uma infecção respiratória. Pode ser usado em pacientes com a doença (para reduzir o risco de propagação) ou em pacientes saudáveis (para reduzir as chances de contraí-la)1.

Como o COVID-19 é distribuído?

Conforme descrito pela OMS até agora, ele se espalha quando inalamos gotas de Flügge de uma pessoa infectada. Gotas de Flügge são liberadas do nosso nariz e boca para o ambiente quando falamos, tossimos, espirramos e até mesmo quando respiramos! Quando inalamos essas gotículas de uma pessoa com infecção por COVID-19, podemos ser infectados. Portanto, o uso de máscaras e o distanciamento social são medidas úteis para reduzir o risco de contrair o vírus. Vale esclarecer que essas gotículas podem permanecer em superfícies (mesa, maçanetas, carrinho de supermercado etc.), portanto, o uso de máscaras faciais deve ser acompanhado de lavagens frequentes das mãos1.

Quem deve usar máscara?

A OMS estuda continuamente as evidências a favor e contra o seu uso em diferentes circunstâncias e recomenda seguir as indicações das autoridades sanitárias de cada país, que são dinâmicas, como tudo na atualidade2.

  • Para ler o que diz o MSP do Uruguai, clique aqui.
  • Para ler o que diz o Ministério da Saúde da Argentina, pode clicar aqui.
  • Para ler o que diz o Ministério da Saúde do Chile, você pode clicar aqui.
  • Para ler as recomendações gerais da OMS, você pode clicar aqui.

A máscara afeta a pele?

Sim. O uso contínuo e prolongado de máscaras pode ter consequências negativas para a pele. Por exemplo, profissionais de saúde têm 97 % de risco de apresentar danos à pele devido a medidas de proteção3. Na população em geral que usa máscara apenas ocasionalmente, o risco é muito menor4.

Sintomas relatados

Os principais sintomas relatados nos diferentes estudos foram3,5:

  • Pele seca
  • Descamação
  • Pele esticada
  • Urticária
  • Coceira
  • Ardor
  • Úlceras por pressão
  • Vermelhidão
  • Bolhas
  • Exacerbação de condições pré-existentes, como rosácea, dermatite ou acne (ponto em que nasceu o termo maskné)

Mecanismos de dano

Os dois mecanismos descritos pelos quais a tira de queixo pode causar danos à pele são:

  • Dano mecânico. Talvez este seja o mais notório: a máscara pode machucar a pele por pressão ou atrito. Isso é especialmente comum na altura do nariz, mas também pode ocorrer nas bochechas e no queixo, ou mesmo nas orelhas (quando o elástico é muito apertado)5,6.
  • Temperatura e umidade. A oclusão causa aumento local excessivo de calor, umidade e suor, o que se torna prejudicial3,7.

Ambos os mecanismos enfraquecem a barreira cutânea4, causando lesões, ressecamento e descamação5. Além disso, eles podem desencadear ou piorar condições como dermatite, foliculite, rosácea e acne3,5,6,7.

Fatores de risco

O dano potencial que a máscara pode causar dependerá de vários fatores:

  • Tempo de exposição. O risco de danos será maior quanto maior for o tempo de uso8 (e os sintomas estão especialmente associados ao uso prolongado, superior a 6 horas diariamente3).
  • Tipo de máscara. Os mais rígidos (como o N95) exercem mais pressão, podendo causar mais danos do que as máscaras cirúrgicas ou tiras de tecido3,6.
  • Peles sensíveis. Pessoas com pele sensível têm maior risco de desenvolver sintomas com o uso de máscaras8.

Dicas para prevenir danos

Felizmente, existem vários remédios que podem ajudar a prevenir ou minimizar os danos causados pelo uso prolongado de uma máscara.

  • Quando não for necessário usá-la, descanse da máscara. Isso não significa que você não cumpra as recomendações das autoridades de saúde. Apenas lembre-se de não continuar a usá-la por inércia quando puder removê-la.
  • Não use sempre a mesmo. Alterne o uso das que você tem e, se possível, alterne entre diferentes modelos e materiais, para que pressão e atrito nem sempre ocorram no mesmo local5.
  • Coloque creme hidratante antes de usar a máscara para reduzir o atrito entre a faixa do queixo e a pele4,5.
  • Reaplicar o hidratante a cada hora para manter o efeito. Um estudo mostrou que a aplicação de vaselina reduziu o atrito em 25 %, mas voltou aos valores normais após uma hora de uso da máscara. Por isso, a reaplicação periódica do hidratante é fundamental para prevenir ou minimizar o risco de lesões4.
  • Se você sentir que a fricção e a pressão ainda o incomodam, apesar de trocar sua máscara e usar hidratante para reduzir a fricção, você pode aplicar 2 camadas de gaze entre a pele e a máscara5.
  • Depois de removê-la, lave o rosto, evitando que a água esteja muito quente5 e use um limpador que seja suave para a pele. O uso de produtos de limpeza agressivos pode perturbar a barreira e torná-la mais sensível a danos. Idealmente, procure produtos de limpeza livres de Sodium Lauryl Sulfate (um limpador muito eficaz, mas também muito irritante) e que eles têm pH fisiológico (de 4 a 6). Se é um syndet não iônico, melhor9,10. Nosso Limpador tem todas essas características e é ideal para todos os tipos de pele.
  • Limpiador - The Chemist Look
  • Depois de remover a máscara, melhore a hidratação5. Reforce a barreira usando hidratantes completos com ingredientes restauradores ou óleos ricos em ácidos graxos biocompatíveis. Algumas opções são nossos hidratantes (para pele mista, seca ou oleosa) e nosso Booster HYALU-A/Si, suaviza as linhas de expressão e estimula a produção de colágeno, proporcionando uma hidratação potente e melhorando a turgidez, a firmeza e a elasticidade da pele.
  • Booster HYALU-A/Si - The Chemist LookHidratante - The Chemist Look
  • Adicionar ativos anti-inflamatórios7 e prebióticos que fortaleçam ainda mais a barreira da pele, como os presentes em nosso Booster VIT-B3/Zn2+ PLUS.
  • Booster VIT-B3/Zn<sup>2+</sup> PLUS - The Chemist Look
  • Quanto mais saudável for a pele, melhor tolerará o uso prolongado de máscaras (e outras agressões4). Portanto, recomendamos evitar em todos os seus produtos aqueles ingredientes ativos irritantes que podem enfraquecê-lo (como álcool, fragrâncias e óleos essenciais).
  • Se você apresentar algum tipo de lesão, recomendamos que você entre em contato com o seu médico assistente para avaliar a necessidade de tratamentos específicos5,6.

Esperamos que tenha sido útil e estamos à disposição para qualquer esclarecimento!

The Chemist Look Team

  1. Organización Mundial de la Salud. Preguntas y respuestas sobre la enfermedad por coronavirus (COVID-19).
  2. Organización Mundial de la Salud. Brote de enfermedad por coronavirus (COVID-19): orientaciones para el público.
  3. Lan J, Song Z, Miao X, et al. Skin damage among health care workers managing coronavirus disease-2019. J Am Acad Dermatol. 2020;82(5):1215‐1216.
  4. Gefen A, Ousey K. Update to device-related pressure ulcers: SECURE prevention. COVID-19, face masks and skin damage. J Wound Care. 2020;29(5):245‐259.
  5. Yan Y, Chen H, Chen L, et al. Consensus of Chinese experts on protection of skin and mucous membrane barrier for health-care workers fighting against coronavirus disease 2019 [published online ahead of print, 2020 Mar 13]. Dermatol Ther. 2020;e13310.
  6. Bin Zhang, MDa ; Ruijie Zhai, MDa ; Lin Ma, MDa. : COVID-19 epidemic: Skin protection for health care workers must not be ignored. (2020) doi: 10.1111/JDV.16573
  7. Mayo Clinic. Consejos de salud: Una experta de Mayo Clinic da consejos para tratar la piel irritada por el uso de tapabocas. June 3, 2020.
  8. Szepietowski JC, Matusiak Ł, Szepietowska M, Krajewski PK, Białynicki-Birula R. Face Mask-induced Itch: A Self-questionnaire Study of 2,315 Responders During the COVID-19 Pandemic. Acta Derm Venereol. 2020;100(10):adv00152. Published 2020 May 28.
  9. Draelos ZD. The science behind skin care: Cleansers. J Cosmet Dermatol. 2018;17(1):8–14.
  10. Ali SM, Yosipovitch G. Skin pH: from basic science to basic skin care. Acta Derm Venereol. 2013 May;93(3):261-7.
Estilo de vidaTcl investiga

Deixe um comentário

Todos os comentários são moderados antes de serem publicados.