superalimentos-cosmetica
Os superalimentos são uma tendência crescente no mercado: quem não tem espirulina, maca ou cúrcuma na despensa, que atire a primeira pedra. ;) Mas, além de serem cada vez mais incorporados às refeições, esses alimentos também vêm ganhando espaço na cosmética há alguns anos. E vale a pena nos perguntar: o que são os superalimentos? Valem a pena? Eles fazem alguma diferença para a pele?

 

Quando vamos para a ciência, o que descobrimos é que se trata de um conceito mais mercadológico do que acadêmico e que não tem uma definição precisa. Foi utilizado pela primeira vez no início do século XX pela empresa pioneira na importação de bananas dos Estados Unidos, para aumentar suas vendas! Dito isso, é claro que os alimentos comumente listados como superalimentos têm seus benefícios. Geralmente, são aqueles ricos em vitaminas, antioxidantes, fibras e/ou ômega-3.

 

Em relação à sua aplicação em cosméticos, embora possa ter alguns benefícios, existem alguns aspectos a serem considerados. Qual é a concentração do produto "superalimento"? É suficiente? Sua composição foi quantificada? Qual é a qualidade do "superalimento" incluído na fórmula? Está estabilizado? É aumentado?

 

Quando os ingredientes usados são naturais (e não sintéticos), há muita variabilidade entre fornecedores, áreas de cultivo, composição, etc. Por isso, não deixe de investigar para escolher as melhores fórmulas para a sua pele. Por fim, não se esqueça de verificar o restante da fórmula para ver se conquista uma vaga no nécessaire, sempre preferindo aqueles que não possuem ingredientes irritantes.

 

No post de hoje, há um guia da #SkintellectualsTCL sobre o que são superalimentos, como surgiu o termo, que efeito eles poderiam ter na pele e quais marcas oferecem várias opções desse tipo de produto.

O que são superalimentos?

Não existe uma definição universal ou consensual1. Um alimento geralmente é classificado como "superalimento" ou "superfood” quando atende a alguma destas características:

 

  • Oferece grande quantidade de nutrientes.
  • Benefícios para a saúde.
  • Ajuda a prevenir/melhorar as condições de saúde.

 

No entanto, pesquisas científicas rigorosas para apoiar o termo não são abundantes - não existem muitos estudos humanos bem elaborados que classifiquem os alimentos como superalimentos ou não com base em seus efeitos sobre a saúde ou valor nutricional. Assim, os limites da definição são difusos, além de possuir muita variabilidade geográfica e cultural: o que é considerado um superalimento em uma região pode não o ser em outra2.

 

Resumindo: é mais um conceito de marketing do que qualquer outra coisa. E não é usado em vão: estudos mostram que os consumidores estão mais inclinados a comprar produtos que percebem como saudáveis1. Ou seja, usar a reivindicação superfood aumenta as vendas dos produtos.

A banana: o primeiro "superalimento"

Desde as suas origens, o conceito esteve intimamente ligado à publicidade e não à ciência. De acordo com Escola de Saúde Pública TH Chan de Harvard, o primeiro alimento comercializado como superalimento foi a banana.
No início do século 20, durante a Primeira Guerra Mundial, a marca americana The Fruit Company começou a importar bananas da América Central. Para aumentar a adesão do consumidor a essa fruta inédita, a empresa lançou uma campanha publicitária destacando as propriedades da banana e seu impacto positivo na saúde, e ainda apontando falsidades como a de que curaria a doença celíaca1.

 

Food Value of the Banana
Você pode ler mais sobre essa história no site da Escola de Saúde Pública TH Chan da Universidade de Harvard e veja todas as imagens da campanha no site do The Center for the History of Medicine and Public Health de la New York Academy of Medicine.

 

Claro, ninguém duvida da bonança da banana a nível nutricional e que é altamente recomendável consumi-la. No entanto, o nascimento do conceito de superalimento remonta a esta campanha porque, pela primeira vez, foi desenhada uma estratégia de marketing baseada na ampliação dos benefícios nutricionais de um alimento para aumentar as suas vendas. Até contrataram médicos para escrever publicações e distribuir gratuitamente livros sobre o assunto nas escolas3!

O que são considerados superalimentos?

ClaroLevando em consideração que a definição não é clara, que é um termo mais mercadológico do que acadêmico e que há muita variabilidade, listamos alguns dos alimentos que são frequentemente classificados como superalimento:

 

Maca, espirulina, quinoa, mirtilo, açaí, gojiberry, espinafre, abacate ou brócolis, couve de Bruxelas, legumes, tomate, cacau (particularmente chocolate amargo), kefir, iogurte, ovos, romã, salmão, couve, amêndoas, nozes, gengibre, wheatgrass, alho, azeite, aveia, chia, algas marinhas, açafrão, chá matcha etc.

 

Fazem parte da lista por diversos motivos, inclusive por serem ricos em antioxidantes, fibras, proteínas e/ou ômega-34,5,6.

Superalimento em cosméticos

A inclusão de “superalimentos” em cosméticos já é tendência há alguns anos e existem várias marcas que desenvolveram linhas inteiras de food for skin.

 

Ao mesmo tempo, não é novidade: há décadas, por exemplo, o óleo de amêndoa e o óleo de abacate fazem parte das fórmulas de todos os tipos de cremes e soros.

 

Seja destacando ingredientes que sempre existiram ou desenvolvendo novos produtos com superalimento, o que definitivamente cresceu é a tendência de usar reivindicações que indicam a presença desses ingredientes na fórmula, como estratégia de marketing para atrair consumidores que buscam cada vez mais o que é saudável ou natural1.

Têm benefícios para a pele?

Os ingredientes naturais podem certamente ter propriedades benéficas para a pele. Por exemplo, os antioxidantes ajudam a prevenir danos e os ácidos graxos livres adicionam hidratação.
No entanto, não é suficiente que um produto contenha Gojiberry ou espinafre para garantir que seja bom. Você precisa ter uma visão mais holística do produto e prestar atenção a algumas outras coisas.

    • Propriedades e evidências: Qual parte do alimento em questão é incorporada ao produto? É um extrato da pedra, da polpa ou da folha? O referido extrato reflete as propriedades benéficas do "superalimento" ou não necessariamente? Possui respaldo científico para seu uso na pele?

    • Estabilidade: Os antioxidantes são instáveis. Portanto, fazer suco de laranja e colocá-lo diretamente no rosto não é tão eficaz quanto usar um soro bem formulado com Ácido Ascórbico. Ingredientes cosméticos requerem ingredientes ativos sinérgicos que aumentam sua eficácia e um pH muito específico para funcionar de maneira ideal. Assim, o fato de uma fruta ou vegetal ser rico em antioxidantes não é garantia de que obteremos seu pleno benefício quando aplicado na pele.

    • Concentração: Em que concentração está o ingrediente da fórmula? É o ideal? Como o poder antioxidante do superalimento em questão se compara ao gold standard atual em cosméticos? Isso agrega valor ou estou comprando algo com menos dinheiro do que meu produto normal?

    • Qualidade e pureza: Os ativos sintéticos têm uma vantagem e é a homogeneidade. Você sabe exatamente o que está comprando, qualitativa e quantitativamente. O que acontece com os ingredientes naturais é que eles são variáveis: um óleo de abacate feito de abacate cultivado em um local será diferente de outro. Até mesmo as estações do ano e a época de cultivo influenciam os níveis de antioxidantes e outros compostos em uma planta. Além disso, na obtenção dos extratos, existem processos que garantem sua pureza e mantêm suas propriedades e outros não. Como consumidor, é muito difícil controlar essas variáveis. Portanto, o ideal é delegar essa responsabilidade de escolher bons ingredientes a marcas transparentes em que você pode confiar. Como na culinária, bons ingredientes ativos são a base para boas formulações.

  • O que mais o produto tem? Ao escolher um cosmético com um “superalimento”, não esqueça de conferir o restante da fórmula. Tem fragrância? Tem álcool? Tem óleos essenciais? Com ou sem superalimentos na fórmula, bons produtos cosméticos devem evitar esses irritantes para prevenir danos.
    Leia mais em nossa postagem 3 ingredientes para evitar em seus cosméticos.

Produtos TCL com superalimentos

Na TCL não nos limitamos a formular cosméticos apenas com ingredientes naturais ou sintéticos: Procuramos combinar o melhor dos dois mundos, integrando ativos naturais superclássicos com os mais recentes desenvolvimentos em biotecnologia aplicada à pele.
Assim, vários dos produtos TCL têm ingredientes vegetais que podem ser considerados "superalimentos", embora o foco da fórmula não seja colocado aí.

Hidratantes: Com óleo de amêndoa e óleo de abacate (+ ceramidas + ácido hialurônico + fator de hidratação natural).

Hidratante - The Chemist Look

Tônico Esfoliante SA: Com camomila, malva, chá verde e aloe vera (+ ácido salicílico 2 % + ácido fítico + pós-biótico seborregulador).

tonico-esfoliante-sa-the-chemist-look

Tônico Esfoliante GA: Com malva, calêndula, camomila, aloe vera e chá verde (+ ácido glicólico 8 %).

Tónico Exfoliante GA - The Chemist Look

Tônico Esfoliante MA: Com malva e aloe vera (+ ácido mandélico 8 % + gluconolactona + peptídeo prebiótico).

Tónico Exfoliante MA - The Chemist Look

Tônico Esfoliante MB: Com malva, camomila e aloe vera (+ ácido maltobiônico 8 % + peptídeo prebiótico).

Tónico Exfoliante MB - The Chemist Look

Em conclusão

    • Se você está se perguntando se deve consumir superalimentos em sua dieta:
      A Escola de Saúde Pública TH Chan Harvard observa que, embora não haja dúvida de que eles têm boas propriedades nutricionais, devemos nos concentrar em comer "superpratos" e não "superalimentos". O importante é escolher ingredientes saudáveis e variados, tenham ou não um claim atraente.

  • Se você está se perguntando se deve escolher cosméticos com superalimentos:
    Lembre-se de que, embora possam trazer algum benefício, não são garantia de qualidade ou eficácia. Existem vários aspectos a serem considerados. Além disso, em geral, os melhores resultados são alcançados pela combinação de diferentes tipos de princípios ativos (naturais, sintéticos, etc.).

 


Esperamos que tenha sido útil e estamos à disposição para qualquer esclarecimento!
The Chemist Look Team

 

  1. Harvard T.H. Chan. The Nutrition Source. Superfoods or Superhype?
  2. Van den Driessche JJ, Plat J, Mensink RP. Effects of superfoods on risk factors of metabolic syndrome: a systematic review of human intervention trials. Food Funct. 2018 Apr 25;9(4):1944-1966.
  3. The New York Academy of History. Books, health and history. Extra, extra, get your new bananas!
  4. Kuskoski EM, Asuero AG, García-Parilla MC, Troncoso AM, Fett R. Actividad antioxidante de pigmentos antociánicos. Ciênc. Tecnol. Aliment. vol.24 no.4 Campinas Oct./Dec. 2004.
  5. Harvard Health Publishing. Harvard Medical School. 10 superfoods to boost a healthy diet.
  6. Harvard Health Publishing. Harvard Medical School. Harvard Women's Health Watch 12 "superfoods" you should be eating.
Estilo de vida

Deixe um comentário

Todos os comentários são moderados antes de serem publicados.