parabenos

É cada vez mais comum encontrar a declaração "Sem Parabenos" em cosméticos. E, apesar de serem muito bons conservantes, os parabenos ganharam má fama ao longo dos anos (a ponto de se criar o termo "Parabenoia")1. Isso se deve ao fato de que são atribuídas várias acusações, como alteração do sistema endócrino ou ser cancerígeno2.

No entanto, este ano eles foram declarados como o "ingrediente não alergênico do ano" pela American Contact Dermatitis Society, então no The Chemist Look decidimos investigar as últimas notícias sobre o assunto. Ao fazê-lo, nos deparamos com vários mitos e verdades e, acima de tudo, muitas incógnitas.

No final, as evidências não são tão claras a favor ou contra. De todos os argumentos apresentados, vale esclarecer que os mais consistentes são aqueles que sustentam sua biossegurança. Além disso, as evidências científicas de "anti-parabenos" em cosméticos são fracas. No entanto, ainda existem algumas dúvidas e é difícil chegar a uma conclusão definitiva: ainda estão em estudo. Portanto, por enquanto, nós da TCL acreditamos que é razoável evitá-los.

No post de hoje, tudo para #SkintellectualsTCL sobre os prós, contras e dúvidas dos Parabenos, um dos ingredientes mais polêmicos.

Como eles aparecem nas fórmulas?

Os nomes mais comuns (embora haja muitos, muitos) são3:

  • METHYLPARABEN
  • ETHYLPARABEN
  • PROPYLPARABEN
  • BUTYLPARABEN

Prós: o que os Parabenos fornecem?

São antimicrobianos, ou seja, evitam a contaminação de produtos por microrganismos como fungos e bactérias, prolongando sua vida útil. Por esse motivo, costumam ser encontrados como conservantes em cosméticos, alimentos, maquiagens e medicamentos3.

O uso de produtos contaminados por microorganismos pode levar, no caso da pele, a infecções e dermatites4.

Na hora de escolher um conservante, os Parabenos são tentadores (e por isso são um dos mais usados) por vários motivos:

  • Eles são econômicos.
  • Não têm cheiro nem sabor, por isso não alteram as propriedades sensoriais dos produtos.
  • Eles não alteram a cor ou a solidez da fórmula3.

Vale esclarecer que sua atividade antimicrobiana não é suficiente para impedir o crescimento de todas as bactérias. Por exemplo, sua atividade contra alguns Gram negativos é limitada, portanto, os Parabenos às vezes são combinados com outros conservantes, como Fenoxietanol. Além disso, a combinação de conservantes também é frequente, pois permite o uso de concentrações menores de cada um deles3.

Contras: de que se trata sua má fama?

Principalmente, eles ganharam fama porque foram associados a modificações e toxicidade do sistema endócrino (glândulas e hormônios). Em particular, eles são acusados de alterar os níveis de estrogênios e androgênios (hormônios sexuais femininos e masculinos), o que também afetaria a fertilidade. Isso gerou uma preocupação especial em produtos infantis que os contêm. Os Parabenos mais indicados como perturbadores do sistema endócrino são os Propilparabenos e Butilparabenos2.

Além disso, outros efeitos negativos são atribuídos a eles2:

  • Carcinogênese: especialmente ligada ao câncer de mama.
  • Teratogenicidade: alterações fetais durante a gravidez.
  • Efeitos ecológicos no meio ambiente.

O que a ciência diz?

Submetemos os principais mitos sobre os parabenos ao rigor da literatura científica para descobrir o que neles é verdadeiro. Dica: a maioria deles cai na zona cinza!

"Os parabenos são tóxicos"

Não de acordo com a ciência. Tentativas foram feitas para demonstrar sua toxicidade aguda e, no momento, ela foi descartada2. Eles são considerados um ingrediente seguro para uso em cosméticos pelo Painel de Especialistas CIR5 e a FDA enfatiza que não há elementos que sustentem sua toxicidade em cosméticos6. Além disso, vale ressaltar que os estudos que sugerem efeitos tóxicos utilizam doses geralmente orais (e não tópicas), e concentrações muito superiores às utilizadas em cosméticos.

"Os parabenos aplicados na pele são absorvidos e atingem a corrente sanguínea"

Sim, certo. Alguns esclarecimentos a respeito:

  • Foi demonstrado que a absorção depende da integridade e função da barreira cutânea, sendo mínima em pele sã (não menos detalhes que evidenciam a importância do uso de produtos reparadores)2.
  • Embora seja descrito que podem passar para a corrente sanguínea, foi demonstrado que são rapidamente metabolizados (inativados) pelo fígado e excretados na urina2. Ou seja, sua presença real no sangue e seu valor são questionáveis.
  • A velocidade com que os parabenos são metabolizados diminui com a idade. Portanto, seu uso em populações mais velhas é questionado2.
  • Note-se que a passagem para o sangue depende do tipo de Parabeno e do veículo utilizado no produto. Foi demonstrado que Metilparabeno tem uma absorção maior do que outros tipos2.

"Os parabenos são alergênicos"

Descartado pela ciência. Por mais tempo que fiquem expostos à pele, não causam efeito alergênico e, nesse sentido, têm se mostrado seguros2,3. Assim, a American Contact Dermatitis Society chamou-os de "ingrediente não alergênico de 2019". Além disso, um estudo os posiciona como os conservantes mais seguros após o Fenoxietanol e o Ácido benzóico3.

"Os parabenos causam desregulação endócrina e alteram os hormônios"

Não está claro. Eles demonstraram ser estrogênios fracos ou xenoestrogênios (e os xenoestrogênios são precisamente definidos como desreguladores endócrinos). No entanto, sua real atividade biológica ainda está em estudo2. Alguns dados:

  • Quando são absorvidos, seu metabolismo (inativação) e excreção são muito rápidos. Já na pele sofrem metabolização, apresentando baixíssimo potencial estrogênico. Isso sugeriria pouco risco de atividade biológica2.
  • A União Europeia desenvolveu uma lista de produtos químicos com atividade estrogênica, que inclui: Metilparabeno, Etilparabeno, Propilparabeno e Butilparabeno.
    Eles são classificados nesta lista como "desreguladores endócrinos". No entanto, foi demonstrado que eles têm uma potência estrogênica muito baixa (10.000 vezes menos que a do estradiol, um dos principais estrogênios endógenos)2.
  • Quanto maior o peso molecular, maior a atividade estrogênica, pois maior a afinidade pelo receptor de estrogênio. É por isso que ele Butilparabeno teria maior potencial estrogênico do que Metilparabeno, que é menor em tamanho. No entanto, também não está claro que uma maior afinidade pelo receptor se traduza em um maior impacto biológico2.
  • A maioria dos estudos é realizada em laboratórios. Na Vivo (em humanos propriamente ditos), o efeito estrogênico dos Parabenos não está comprovado. Vale esclarecer que também não está descartado. Simplesmente não há evidências suficientes para saber2.
  • Quanto ao seu potencial androgênico ou antiandrogênico, as evidências são totalmente insuficientes e inconclusivas2.

"Os parabenos afetam a fertilidade"

Não está provado em estudos humanos. Por enquanto, nada mais é do que uma hipótese sem verificação. Tanto os estudos que a sustentam quanto os que a descartam são de baixa qualidade2.

"Os parabenos são teratogênicos"

Descartado por enquanto. Todos os estudos de teratogenicidade (capacidade de afetar o desenvolvimento fetal durante a gravidez) foram negativos. Vale esclarecer que foram realizados em animais5.

"Os parabenos são cancerígenos"

Não de acordo com a ciência, embora ainda esteja em estudo. No momento, não há pesquisas em humanos (in vivo) que demonstram a relação entre Parabenos e câncer. Até o momento, são classificados como não mutagênicos e não cancerígenos2,3. Alguns dados:

  • Parabenos foram encontrados em tumores de mama. No entanto, isso não é suficiente para mostrar causalidade2.
  • In vitro(no laboratório), foi demonstrado que os parabenos têm ação pró-tumor2.
  • É descrito que alguns tipos de câncer de mama são estimulados por estrogênios. Por este motivo e devido à sua fraca ação estrogênica, a segurança dos Parabenos está em foco. No entanto, a baixa quantidade de parabenos no sangue e sua fraca afinidade pelo receptor de estrogênio lhe daria uma grande margem de segurança2.
  • A European Commission’s Health & Consumer Protection Directorate destaca que não há evidências de que os parabenos incluídos em desodorantes aumentem o risco de câncer de mama2.
  • Em relação ao risco de causar câncer de pele, estudos mostram in vitro que os parabenos podem aumentar a sensibilidade aos danos do sol, aumentando o risco de câncer de pele. No entanto, não existem estudos in vivo (em pessoas) que suportam isso2.

"Parabenos trazem problemas ecológicos"

Não está claro. As informações sobre os efeitos tóxicos dos Parabenos em organismos aquáticos são escassas e o que está disponível geralmente indica baixa toxicidade. Estudos mostram que pode aumentar quando outros fatores são adicionados, como a presença de raios ultravioleta. Por outro lado, é importante ressaltar que são biodegradáveis3 e podem provir de fontes naturais1.

"Os parabenos alteram a microbiota"

Surpreendentemente, as evidências mostram que não. Cada vez mais importância é dada à microbiota ou flora normal presente em nossa pele, e os efeitos que os conservantes em produtos podem ter sobre ela estão sendo questionados. E faz sentido: se um conservante impede o crescimento de microrganismos em um produto, é intuitivo pensar que ele também impedirá o desenvolvimento normal da flora da pele. Porém, quando isso foi posto à prova, ficou demonstrado que os Parabenos não afetam a microbiota da pele ou a afetam de forma estatisticamente insignificante2.

"Os parabenos têm um efeito anti-envelhecimento na pele"

As evidências são conflitantes. Por um lado, foi descrita uma possível ação anti-envelhecimento dos Parabenos pelo fato de atuarem nos receptores locais de estrogênios, que estimulam as células da pele2.

Por outro lado, também foi demonstrado, no caso de Metilparabeno, que pode diminuir a proliferação de queratinócitos e a produção de colágeno e Ácido Hialurônico2.

Em conclusão...

Não é fácil tirar conclusões sobre um tópico com evidências tão conflitantes! No entanto, detalhamos alguns aspectos relevantes que podem ajudar a tomar decisões prudentes:

  • A União Europeia (UE) proibiu o uso de alguns tipos de Parabenos em cosméticos por falta de evidências sobre sua segurança: Isopropylparaben, Isobutylparaben, Phenylparaben, Benzylparaben y Pentylparaben7.
  • Em relação a Butilparabeno e ao Propilparabeno, seu uso é considerado seguro pela UE desde que a soma de suas concentrações não ultrapasse 0,19%7.
  • O Metilparabeno e o Etilparabeno são aprovados pela UE em concentrações abaixo de 0,4% (ou 0,8% se usados como uma mistura de ésteres)7.
  • O SCCS alerta sobre um risco potencial (ainda não esclarecido) do uso de Parabens em bebês menores de 6 meses (principalmente na área das fraldas). Portanto, sugerem cautela nesses casos5.
  • Se você quiser evitar parabenos, escolha produtos que contenham conservantes como Fenoxietanol, Ácido benzóico ou Álcool butílico, que são considerados seguros3,8,9. Algo que se critica a tendência dos antiparabenos é que às vezes acaba gerando o uso de preservativos, ainda piores!, ou que têm menos evidências quanto ao seu perfil de segurança2,3. Em outras palavras, você pode comprar um produto "sem parabenos" como se fosse uma coisa boa, mas que contém um conservante ainda pior.
  • Preste atenção também na composição de seus alimentos e remédios! Os possíveis riscos dos parabenos na pele são mínimos devido à sua má absorção. Por outro lado, os Parabenos que ingerimos têm uma chegada muito maior no sangue!3

Esperamos que tenha sido útil e, para qualquer dúvida, estamos à disposição!

The Chemist Look Team

 

  1. Sasseville D, Alfalah M, Lacroix J. “Parabenoia” Debunked, or “Who’s Afraid of Parabens?” Dermatitis, 2015 Nov-Dec; 26(6), 254–259.
  2. Fransway AF, Fransway PJ, Belsito DV, Yiannias JA. Paraben Toxicology. Dermatitis. 2019 Jan/Feb;30(1):32-45.
  3. Fransway AF, Fransway PJ, Belsito DV, Warshaw EM, Sasseville D, Fowler JF, Reeder MJ. Parabens. Dermatitis. 2019 Jan/Feb;30(1):3-31.
  4. Cosmetics Info. Preservative ingredients.
  5. Cosmetic Ingredient Review. Safety Assessment of Parabens as Used in Cosmetics. 2018.
  6. US Food and Drug Administration. Parabens in cosmetics.
  7. Amended Safety Assessment of Parabens as Used in Cosmetics. Cosmetic Ingredient Review. August 29, 2018.
  8. Lilienblum W. (2016). Opinion of the Scientific Committee on Consumer Safety (SCCS) – Final version of the opinion on Phenoxyethanol in cosmetic products. Regulatory Toxicology and Pharmacology, 82, 156.
  9. Johnson W, Bergfeld WF, Belsito DV, Hill RA, Klaassen CA, Liebler DC, Marks JG, Shank RC, Slaga TJ, Snyder PW, Andersen FA. Safety Assessment of Benzyl Alcohol, Benzoic Acid and its Salts, and Benzyl Benzoate. Int J Toxicol. 2017 Nov/Dec;36(3):5S-30S.
Ingredientes

Deixe um comentário

Todos os comentários são moderados antes de serem publicados.