Esporte: Seus efeitos na pele
Os benefícios da atividade física para a saúde são bem conhecidos. Para citar alguns, reduz o risco cardiovascular e de sofrer alguns tipos de câncer (especificamente de mama e cólon), reduz os níveis de estresse e melhora a qualidade do sono e descanso. Além disso, o exercício físico tem vários efeitos na pele.

 

Embora as evidências científicas não sejam abundantes a esse respeito, alguns benefícios e riscos estão bem estabelecidos. Entre seus benefícios é enfatizado que o exercício é anti-envelhecimento e anti-glicação, além de melhorar a hidratação, potencializar os processos de cicatrização e equilibrar a flora cutânea.

 

Em relação a seus riscos para a pele, há a possibilidade de sofrer traumas e infecções, a maior exposição à radiação ultravioleta, a possibilidade de desencadear condições pré-existentes (como no caso da rosácea) e um risco aumentado de aparecimento de estrias (especialmente quando há muito alongamento ou desenvolvimento de massa muscular).

 

No post de hoje, um especial para atletas sobre os tipos de atividade física, como medir sua intensidade, quanto é recomendado fazer exercícios por dia e todos os efeitos que pode ter na pele.

Primeiro, o que é esporte?

Embora os termos esporte, exercício e atividade física às vezes sejam usados como sinônimos, na verdade não são. Algumas definições:

 

    • Atividade física: De acordo com a OMS, "qualquer movimento corporal produzido pelos músculos esqueléticos que requeira gasto de energia é considerado atividade física"1. Assim, inclui desde atividades da vida diária (arrumar a cama, brincar com seu animal de estimação ou caminhar para o trabalho) até a realização de algum esporte ou exercício físico.

 

    • Exercício: De acordo com a OMS, "(...) é uma variedade de atividade física planejada, estruturada, repetitiva e realizada com objetivo relacionado à melhoria ou manutenção de um ou mais componentes da aptidão física"1. Existem vários tipos de exercícios muito diferentes: ioga, Pilates, Crossfit, caminhar, andar de patins ou correr, etc.

 

  • Esporte: De acordo com a RAE, é uma “atividade física, exercida em forma de jogo ou competição, cuja prática envolve treino e adesão às regras”2. Exemplos conhecidos são futebol, basquete, atletismo, etc.

Como é medida a intensidade da atividade física?

A intensidade da atividade física é dada por1:
  • Esforço necessário para fazê-la
  • A velocidade com que é executada
  • Sua duração

 

Vale esclarecer que esses critérios não são objetivos, mas que a intensidade de uma atividade irá variar de pessoa para pessoa, dependendo do treinamento que cada um possui. Assim, correr 2 blocos pode ser classificado como atividade intensa para alguns e leve para outros (dependendo do nível de treinamento e aptidão física)1.

Equivalentes metabólicos (MET)

Para medir a intensidade da atividade física levando em consideração fatores individuais, existe uma unidade chamada MET ou equivalente metabólico. Um MET equivale ao que cada um gasta energia enquanto está em repouso, sentado. A partir desta definição, é definida a intensidade das diferentes atividades físicas.

 

    • Atividade física leve é aquele que consome menos de 3 METs de energia. Em outras palavras, inclui as tarefas que podemos realizar praticamente em repouso, como trabalhar no computador, caminhar devagar, cozinhar ou tocar um instrumento1,3.

 

    • Atividade física moderada é definida como aquilo que nos faz gastar 3 a 6 METs (ou seja, 3 a 6 vezes mais energia do que usamos quando estamos em repouso). Podemos perceber que estamos em atividade moderada quando nossa frequência cardíaca aumenta. Vale lembrar que uma atividade moderada para uma pessoa não precisa ser moderada para outra. Alguns exemplos podem ser: passear, carregar sacolas de supermercado, brincar com crianças ao ar livre, dançar, passar aspirador de pó, aparar a grama, jogar tênis em pares, etc.1,3.

 

  • Atividade física vigorosa (alta intensidade) é definida como aquela que nos faz gastar mais de 6 METs, e implica em um aumento perceptível da frequência cardíaca e respiratória. Alguns exemplos - dependendo da pessoa - podem ser: carregar peso maior que 20 quilos, cavar um poço, fazer ginástica aeróbica, jogar tênis um a um ou futebol, nadar, andar de bicicleta, subir ladeira, etc.3.

Benefícios da atividade física para a saúde

Como muitos hábitos saudáveis, a atividade física está em alta. E isso não é em vão, já que seus benefícios são inúmeros e em todos os níveis:
  • Ajuda a reduzir os níveis de estresse4,5.
  • Reduz significativamente o risco cardiovascular (o risco de diabetes, pressão alta, ataque cardíaco ou derrame)1.
  • Reduz a frequência de alguns tipos de câncer (mama e cólon)1.
  • Reduz o risco de depressão1.
  • Reduz o risco de quedas (o que é de importância central nos idosos)1.
  • Melhora a saúde óssea1.
  • Ajuda a manter o equilíbrio calórico1.

Quanta atividade física devemos fazer?

A recomendação atual para obter os benefícios da atividade física na saúde é realizar 150 minutos de exercício de intensidade moderada por semana, 75 minutos por semana de exercícios vigorosos ou um combinação de ambos, que seja equivalente. Esses horários semanais podem ser divididos em sessões curtas de exercícios. Ou seja, todo esforço é válido e benéfico! Mesmo se adicionarmos em tempos de 10 minutos de duração6.

 

Vale esclarecer que os benefícios para a saúde não atingem um “platô” ao atingir 150 ou 75 minutos por semana (dependendo da intensidade do exercício), mas continuam a aumentar (e muito!) à medida que o tempo semanal gasto aumenta6.

Qual o papel da pele no exercício físico?

A pele é essencial para manter a termorregulação. Durante o exercício, a atividade muscular gera um aumento de calor no corpo, que deve ser dissipado para manter uma temperatura basal de aprox. 36-37 °C. Assim, quando fazemos esportes, o suprimento de sangue para a pele aumenta (por vasodilatação, que nos deixa vermelhos!) para dissipar energia calórica para o meio ambiente7. O suor também contribui para a dissipação da energia térmica por meio de sua evaporação8.

Quais são os efeitos do exercício físico na pele?

As informações científicas sobre os efeitos do exercício e do esporte na pele não são abundantes. No entanto, existem alguns benefícios e riscos que estão bem estabelecidos. 

Benefícios

 

    • Suor: O exercício físico melhora a hidratação da pele porque aumenta o suor, o que aumenta a presença local de componentes do NMF (fator de hidratação natural), como o ácido lático. Além disso, quando a sudorese não é excessiva, fortalece a barreira cutânea, favorece o manto ácido e equilibra a flora cutânea9.

 

    • Anti-envelhecimento: Demonstrou-se que o exercício físico regular tem um efeito antiinflamatório na pele, melhora a função mitocondrial e combate a senescência celular, que tem um efeito anti-envelhecimento10

 

    • Anti-glicação: Um dos efeitos benéficos da atividade física mais bem descritos é que ela ajuda a reduzir a glicação, tornando-o super anti-envelhecimento e um hábito mais do que saudável. A glicação é uma das principais causas não só do envelhecimento da pele, mas também de danos gerais ao corpo. É uma reação não enzimática, espontânea e inevitável que ocorre entre o açúcar no sangue e as proteínas do organismo (colágeno e elastina, no caso da pele). Essa reação resulta em produtos finais de glicação (chamados de AGEs11,12) e tem dois problemas. A primeira é que as proteínas que participam da reação perdem sua função (o que na pele resulta em perda de firmeza e elasticidade13,14).
      O segundo problema é que os AGEs causam dano oxidativo11, aprofundando os danos e acelerando ainda mais o envelhecimento. O exercício físico reduz os níveis de açúcar no sangue e, portanto, também reduz a formação de AGEs. Portanto, é um recurso antienvelhecimento e saudável altamente recomendado! Não só previne danos ao nível da pele, mas também ao nível arterial, dos tendões, etc.15. Além disso, você pode incorporar cosméticos anti-glicação em sua rotina (como nosso Booster VIT-C/FE) e alimentos anti-glicação (como canela, pimenta e orégano). Você pode ler tudo sobre o assunto em nossa postagem: Glicação: outra causa do envelhecimento da pele.

 

    • Estresse: O exercício físico ajuda a reduzir os níveis de estresse16,17, e o estresse afeta negativamente a pele: torna-a mais sensível a danos, retarda os mecanismos de reparo, causa envelhecimento prematuro e favprece o aparecimento de doenças inflamatórias, como psoríase, dermatite e acne18-25. Assim, o exercício pode beneficiar a pele indiretamente, reduzindo os níveis de estresse.

       

      Você também pode tentar praticar meditação, que tem benefícios mega comprovados sobre o estresse e na pele, ou você pode incluir cosméticos com anti-estresse à sua rotina (como nosso Booster VIT-C/FE).

       

      Você pode ler mais sobre o assunto em nossos posts Meditação: afeta a pele? e Estresse: seus efeitos na pele.

 

    • Acne: O exercício físico regular ajudaria a melhorar acne26. É sugerido que isso pode ser devido ao seu efeito anti-inflamatório e porque reduz os níveis de açúcar no sangue e os níveis de estresse (e tanto açúcar quanto estresse eles pioram acne).

       

      Leia tudo sobre isso em nossa postagem: Tudo que você precisa saber sobre acne.

 

    • Sonho: Os exercícios ajudam a melhorar a qualidade do sono e do descanso, e a falta de sono afeta muito a pele: acelera o envelhecimento, ativa enzimas que quebram o colágeno e causa danos oxidativos e inflamação. Assim, o exercício físico protege indiretamente a pele desses danos27.

 

  • Cicatrização: Foi demonstrado tanto em animais quanto em humanos que o exercício físico auxilia na melhor cicatrização de feridas, embora o mecanismo pelo qual isso ocorra não seja bem compreendido28,29.
Para aqueles que se perguntam, o exercício físico não demonstrou melhorar a aparência da celulite. E isso, em grande medida, porque a celulite não pode ser melhorada, mas apenas disfarçada. Não é um problema em si, é apenas o aspecto normal da pele em certas áreas do corpo das mulheres (que têm os septos fibrosos da hipoderme perpendiculares à pele, enquanto os homens os têm dispostos obliquamente)30,31,32.

Riscos

Vamos aos riscos que a atividade física pode causar para a pele. Isso pode ser devido a fatores como: o contexto em que a atividade é realizada (ao ar livre, piscina, etc.), o equipamento necessário (pesos, calçados, remos, etc.), duchas repetidas, trauma, contato próximo com a pele de outros atletas, o aumento da massa muscular ou a exacerbação de doenças cutâneas pré-existentes. Alguns dos efeitos negativos mais comuns são:

 

    • exposição ao sol33: Os benefícios do exercício na pele serão ofuscados pelos danos do sol se não tomarmos as devidas precauções ao ar livre. O raios UV são uma das principais causas de fotoenvelhecimento, manchas e câncer de pele, portanto, cuidar bem do sol é fundamental para qualquer rotina. Esses cuidados incluem não nos expor em horas ruins (das 11h às 17h), usar roupa que cubra a pele (de preferência com proteção UV), chapéu de aba larga e protetor que seja para a prática de esportes. Dessa forma, você terá mais resistência ao suor.

 

    • Exacerbação da rosácea: A atividade física é um gatilho típico para rosácea. Na verdade, existem várias pessoas que limitam os tipos de exercícios que fazem por causa dessa condição de pele. De acordo com uma pesquisa da National Rosacea Society, o que funciona melhor para quem tem rosácea para controlar os impulsos causados pelo exercício é: treinar com ar-condicionado ou ventilador, e limitar a intensidade ou duração dos exercícios. Outros recursos úteis podem incluir: treinar nas horas mais frias do dia, fazer vários exercícios de não mais de 15 minutos várias vezes ao dia (em vez de um longo) e manter a temperatura do corpo o mais fria possível (borrifando água fria com um spray sobre a pele ou com uma toalha fria nos ombros)34,35.

 

    • Aparição de estrias: Os atletas correm maior risco de aparecimento de estrias, principalmente devido ao alongamento causado pelo desenvolvimento muscular da pele.

 

  • Outras: Também correm maior risco de: aparecimento de bolhas, calosidades, lesões por fricção (por exemplo, ao nível dos mamilos em corredores), infecções (moluscos contagiosos, impetigo, otite, etc.) e pele seca (especialmente em nadadores)36.

 

Se você é atleta, recomendamos que consulte seu dermatologista para que ele indique os cuidados mais adequados de acordo com o tipo de atividade física que pratica, para prevenir e tratar esses riscos. 

 

Esperamos que tenha sido útil! Estamos à disposição para qualquer esclarecimento.

 

The Chemist Look Team

 

  1. Organización Mundial de la Salud. Estrategia mundial sobre régimen alimentario, actividad física y salud.
  2. Real Academia Española: Diccionario de la lengua española, 23.ª ed., [versión 23.3 en línea].
  3. Harvard TH Chan. School of Public Health. The Nutrition Source. Measuring Physical Activity.
  4. Choi JY, Chang AK, Choi EJ. Effects of a Physical Activity and Sedentary Behavior Program on Activity Levels, Stress, Body Size, and Sleep in Sedentary Korean College Students. Holist Nurs Pract. 2018;32(6):287–295.
  5. Beserra AHN, Kameda P, Deslandes AC, Schuch FB, Laks J, Moraes HS. Can physical exercise modulate cortisol level in subjects with depression? A systematic review and meta-analysis. Trends Psychiatry Psychother. 2018;40(4):360–368.
  6. Arnett DK, Blumenthal RS, Albert MA, Buroker AB, Goldberger ZD, Hahn EJ, Himmelfarb CD, Khera A, Lloyd-Jones D, McEvoy JW, Michos ED, Miedema MD, Muñoz D, Smith SC Jr, Virani SS, Williams KA Sr, Yeboah J, Ziaeian B. 2019 ACC/AHA guideline on the primary prevention of cardiovascular disease: a report of the American College of Cardiology/American Heart Association Task Force on Clinical Practice Guidelines. Circulation. 2019;140:e596–e646.
  7. Simmons GH, Wong BJ, Holowatz LA, Kenney WL. Changes in the control of skin blood flow with exercise training: where do cutaneous vascular adaptations fit in?. Exp Physiol. 2011;96(9):822‐828.
  8. Deborah Anne Burton, FRCA, Keith Stokes, BSc PhD, George M Hall, MBBS PhD DSc FRCA, Physiological effects of exercise, Continuing Education in Anaesthesia Critical Care & Pain, Volume 4, Issue 6, December 2004, Pages 185–188.
  9. Wang S, Zhang G, Meng H, Li L. Effect of Exercise-induced Sweating on facial sebum, stratum corneum hydration, and skin surface pH in normal population. Skin Res Technol. 2013;19(1):e312‐e317.
  10. Crane JD, MacNeil LG, Lally JS, et al. Exercise-stimulated interleukin-15 is controlled by AMPK and regulates skin metabolism and aging. Aging Cell. 2015;14(4):625–634.
  11. Kim CS, Park S, Kim J. The role of glycation in the pathogenesis of aging and its prevention through herbal products and physical exercise. J Exerc Nutrition Biochem. 2017 Sep 30;21(3):55-61.
  12. Gugliucci A. Glicación de proteínas: rol protagónico de la hiperglicemia en las complicaciones crónicas de la diabetes mellitus. Rev Med Uruguay 2000; 16: 58-75.
  13. Alvim F, Addor SA. Beyond photoaging: additional factors involved in the process of skin aging. Clin Cosmet Investig Dermatol. 2018; 11: 437–443. Published online 2018 Sep 20.
  14. Los procesos de glicación y oxidación en el envejecimiento de la piel. Simposio Satélite La Roche Posay XXI Reunión del Grupo Español de Dermatología Cosmética y Terapéutica (GEDCT). Logroño, 2-3 de octubre de 2009.
  15. Couppé, C., Dall, C. H., Svensson, R. B., Olsen, R. H., Karlsen, A., Praet, S., … Magnusson, S. P. (2017). Skin autofluorescence is associated with arterial stiffness and insulin level in endurance runners and healthy controls - Effects of aging and endurance exercise. Experimental Gerontology, 91, 9–14.
  16. Choi JY, Chang AK, Choi EJ. Effects of a Physical Activity and Sedentary Behavior Program on Activity Levels, Stress, Body Size, and Sleep in Sedentary Korean College Students. Holist Nurs Pract. 2018;32(6):287–295.
  17. Beserra AHN, Kameda P, Deslandes AC, Schuch FB, Laks J, Moraes HS. Can physical exercise modulate cortisol level in subjects with depression? A systematic review and meta-analysis. Trends Psychiatry Psychother. 2018;40(4):360–368.
  18. A. Garg et al., “Psychological stress perturbs epidermal permeability barrier homeostasis: implications for the pathogenesis of stress-associated skin disorders.,” Arch. Dermatol., vol. 137, no. 1, pp. 53–59, Jan. 2001.
  19. A. Alexopoulos and G. P. Chrousos, “Stress-related skin disorders,” 2016.
  20. Muizzuddin N, Matsui M S, Marenus K D, Maes D H. Impact of stress of marital dissolution on skin barrier recovery: tape stripping and measurement of trans-epidermal water loss (TEWL). Skin Res. Technol. 2003;9 (1):34–38.
  21. Altemus M, Rao B, Dhabhar F S, Ding W, Granstein R D. Stress-induced changes in skin barrier function in healthy women. J. Invest. Dermatol. 2001;117 (2):309–317.
  22. Kiecolt-Glaser J.K. et al. Slowing of wound healing by psychological stress. Lancet 1995; 346: 1194-6.
  23. de Brouwer SJM, van Middendorp H, Stormink C, Kraaimaat FW, Sweep FCGJ, de Jong EMGJ, et al. The psychophysiological stress response in psoriasis and rheumatoid arthritis. Br J Dermatol. 2014;170:824–31.
  24. Megumi M, Masaki Y, Chieko U, Teruhiko M, Tadamichi S. Stress Evaluation in Adult Patients with Atopic Dermatitis Using Salivary Cortisol. 2013.
  25. Chen Y, Lyga J. Brain-Skin Connection : Stress , Inflammation and Skin Aging. 2014;177–90.
  26. Khunger N, Mehrotra K. Menopausal Acne - Challenges And Solutions. Int J Womens Health. 2019;11:555–567. Published 2019 Oct 29.
  27. Kelley GA, Kelley KS. Exercise and sleep: a systematic review of previous meta-analyses. J Evid Based Med. 2017;10(1):26‐36.
  28. Crane JD, MacNeil LG, Lally JS, et al. Exercise-stimulated interleukin-15 is controlled by AMPK and regulates skin metabolism and aging. Aging Cell. 2015;14(4):625–634.
  29. Wong W, Crane ED, Kuo Y, Kim A, Crane JD. The exercise cytokine interleukin-15 rescues slow wound healing in aged mice. J Biol Chem. 2019;294(52):20024‐20038.
  30. S. Luebberding, N. Krueger, and N. S. Sadick, “Cellulite: An Evidence-Based Review,” Am. J. Clin. Dermatol., vol. 16, no. 4, pp. 243–256, 2015.
  31. D. P. Friedmann, G. L. Vick, and V. Mishra, “Cellulite: a review with a focus on subcision.,” Clin. Cosmet. Investig. Dermatol., vol. 10, pp. 17–23, 2017.
  32. M. De La Casa Almeida, C. Suarez Serrano, J. Rebollo Roldán, and J. J. Jiménez Rejano, “Cellulite’s aetiology: A review,” J. Eur. Acad. Dermatology Venereol., vol. 27, no. 3, pp. 273–278, 2013.
  33. Oxford Handbook of Sport and Exercise Medicine
  34. National Rosacea Society. Exercise May Cause Flare-Ups But Can Be Controlled, Survey Shows.
  35. National Rosacea Society. Tips For Exercising Without Flare-Ups.
  36. Kolbach R, Marianne, Cossio T, María Laura, Sáenz de Santa María P, M. Luisa, Carreño O, Néstor, de la Cruz F, Claudia, & Fajre W, Ximena. (2008). Dermatosis en los deportistas. Revista médica de Chile, 136(2), 249-255.A
Estilo de vida

Deixe um comentário

Todos os comentários são moderados antes de serem publicados.