livre-gluten
O glúten é um grupo de proteínas encontradas no trigo, cevada, centeio e seus derivados. Embora não apresente maiores benefícios a nível nutricional, sua grande contribuição é a textura e elasticidade com que contribui para os alimentos que o contêm. Tanto que integra a lista de ingredientes de cada vez mais alimentos e produtos (e na cosmética é utilizado como espessante).

 

Tem havido um aumento na prevalência de diferentes formas de intolerância ao glúten e recebemos vários questionamentos sobre a necessidade ou não de evitá-lo em cosméticos. A realidade é que o glúten não consegue atravessar a barreira da pele (quando é saudável). Portanto, não haveria contraindicações nesse sentido para quem tem intolerância alimentar, devendo ser evitado apenas por quem tem alergia ao trigo. Porém - e apesar de não haver absorção pela pele -, recomenda-se que os suscetíveis ao glúten em qualquer de suas formas evitem-no em produtos que possam acabar ingerindo acidentalmente (batons, cremes para as mãos, xampu).

 

No post de hoje, tudo para #SkintellectualsTCL sobre glúten, como reconhecê-lo nas fórmulas, os diferentes tipos de intolerância e as condições de uso do termo gluten-free.

O que é glúten?

É um conjunto de dois tipos de proteínas: prolaminas e glutelinas1

gluten-prolamina-glutelina

Onde está?

Se encontra no trigo, na cevada, no centeio e seus derivados (farinhas, etc.). Além disso, geralmente a aveia é colocada no mesmo saco, embora não contenha glúten naturalmente: é contaminada durante a colheita e a produção (o que se denomina contaminação cruzada). Tanto é assim, que a sigla sem TACC significa sem derivados de Trigo, Aveia, Cevada e Centeio. Porém, é importante saber que é possível obter no mercado aveia certificada livre de glúten (Gluten-free)2,3,4

O que o glúten fornece?

O glúten não é conhecido por seu valor nutricional. Na verdade, as proteínas que o compõem têm baixa densidade de aminoácidos essenciais (aqueles que o corpo não é capaz de produzir). Ou seja, sua exclusão da dieta não constitui um problema ao nível nutricional e pode ser facilmente substituída por outras proteínas (animal ou vegetal)5,6

 

O benefício do glúten é bastante sensorial: as proteínas que o compõem formam uma rede que fornece a textura e a elasticidade das massas que o contêm (pães, pizzas, bolos, tortas)5. Quem cozinha pão livre de glúten (vários no mercado) sabem bem que, embora seja crocante por fora, não é tão "arejado" ou elástico por dentro.

 

Embora esse bônus sensorial possa parecer um detalhe menor, não é do ponto de vista comercial. Assim, o glúten tem sido cada vez mais adicionado a diferentes tipos de preparações e produtos, de forma que a exposição das pessoas pode estar aumentando, o que é sugerido para explicar o número crescente de casos de sensibilidade ao glúten7,8. Por exemplo, a produção mundial de trigo em 2003 foi de 560 milhões de toneladas, enquanto em 2015 esse número foi de 734,5 milhões de toneladas!8.

Quem é afetado pelo glúten?

É claro que o glúten aumenta a permeabilidade intestinal e afeta pessoas suscetíveis9. Se também prejudica aqueles que não são suscetíveis, ainda é um assunto polêmico, que não teria evidências suficientes pelo menos até agora10.

As condições sofridas por aqueles com intolerância ao glúten são geralmente classificadas em:

  • Formas autoimunes (entre as quais está a doença celíaca)
  • Alergia ao trigo
  • Sensibilidade ao glúten não celíaca

Formas autoimunes

O mais conhecido é a Doença celíaca, que afeta 1% da população. Ocorre em indivíduos com suscetibilidade genética, devido a uma ativação do sistema imunológico em nível intestinal em resposta ao glúten11,12. O que acontece é que fragmentos indigestos de glúten se ligam à barreira intestinal, aumentam sua permeabilidade e conseguem atravessá-la. Assim, encontram células do sistema imunológico (das defesas) que "atacam" o glúten e acabam causando danos às vilosidades intestinais11. Essa condição é crônica, ou seja, não tem cura, mas danos ao nível intestinal podem ser evitados com dieta livre de glúten. Vale esclarecer que a ativação da autoimunidade pelo glúten no intestino pode dar sintomas além dos digestivos (por exemplo, ao nível da pele pode dar o que é conhecido como “dermatite herpetiforme”) 13,14,15. Esses sintomas extra-intestinais também melhoram com dieta livre de glúten11,16,17. Quanto ao diagnóstico, ele é estabelecido pelos sintomas e alguns exames de sangue, mas é confirmado exclusivamente por uma biópsia intestinal (olhando diretamente a mucosa ao microscópio e observando o dano)18

 

Outra condição autoimune que não é tão frequente ou conhecida é ataxia por glúten. É caracterizada por danos irreversíveis ao cerebelo que afetam o equilíbrio, a coordenação e a caminhada, desencadeados pelo glúten na dieta19,20

Alergia ao trigo

Uma alergia ao trigo é apenas uma alergia comum (como qualquer outro alérgeno). Do ponto de vista imunológico, não tem particularidade. É importante notar que essa alergia é a trigo, e não ao glúten. Portanto, quem tem, não deve evitar cevada, centeio e aveia (e deve ter cuidado com os produtos livres de glúten que podem conter outros componentes do trigo que não são glúten!).

Essa alergia pode ter apresentações diferentes dependendo da rota de exposição ao trigo21:

  • Alimentar: É mais frequente na infância e a maioria supera essa alergia entre os 6 anos e a idade escolar ou do ensino médio. No entanto, também pode ser persistente e durar toda a vida. Pode causar sintomas leves ou graves (e pode levar à anafilaxia). Vale ressaltar que uma de suas variedades é induzida pelo exercício físico21,22. Portanto, cuidado com quem se sente mal depois do café da manhã e do treino: pode ser uma alergia ao trigo! 
  • Respiratória: Ocorre principalmente por exposição ocupacional, causando “asma de padeiro”21,22
  • Cutânea: Ocorre pela exposição às proteínas do trigo em cosméticos ou outros produtos de uso tópico, produzindo urticária de contato21
Quanto ao seu diagnóstico, é idealmente realizado por um alergista, por meio de exames de sangue, punção cutânea e, eventualmente, mudanças na dieta alimentar. O tratamento consiste principalmente em restringir a exposição ao alérgeno, embora existam outras opções que podem ser indicadas pelo médico assistente22.

Sensibilidade ao glúten não celíaca

É caracterizada pela presença de sintomas intestinais (diarreia, dor, distensão abdominal) e extraintestinais (fadiga, dores musculares, dificuldade de concentração), associados à ingestão de glúten, em pessoas sem doença celíaca ou alergia ao trigo23. Atualmente, é o distúrbio relacionado ao glúten mais comum (afeta 13% da população!)24,25. Seus mecanismos fisiopatológicos ainda estão em estudo. Quanto ao seu diagnóstico, é estabelecido em pacientes que atendem às seguintes características23:

 

  • O diagnóstico de doença celíaca e alergia ao trigo foi descartado.
  • Seus sintomas melhoram com dieta livre de glúten.
  • Seus sintomas pioram quando eles colocam o glúten de volta em sua dieta.

Que significa livre de glúten?

Embora pareça que livre de glúten significa sem glúten, este não é necessariamente o caso. A FDA permite o uso do claim nos seguintes cenários, sem exigir uma certificação de terceiros:

  • Quando o produto contém níveis de glúten considerados seguros (mesmo para pessoas com doença celíaca), que corresponde a valores abaixo de 20 ppm (equivalente a 20 mg de glúten para cada kg de alimento/produto, ou seja, 0,002% de teor de glúten)26,27.
  • Quando o produto não têm trigo, cevada, centeio ou qualquer um de seus derivados (nem contaminação cruzada).

É a grosso modo, mas vale esclarecer que o glúten pode ser removido dos derivados do trigo, da cevada e do centeio. Nesses casos, e quando o teor final de glúten não ultrapassar o mínimo estabelecido de 20 ppm, também se pode usar o claim livre de glúten em derivados de TACC.

Por fim, vale esclarecer que a utilização do claim não é obrigatória: um alimento ou produto que não afirma ser livre de glúten também pode ser sem glúten. Um exemplo é a água, as frutas e os ovos27.

E quanto ao glúten em cosméticos? 

Além de melhorar a textura dos alimentos, o glúten também atua como um bom espessante em cosméticos. Portanto, não é incomum encontrá-lo integrando a lista de ingredientes. A boa notícia é que, devido ao seu grande tamanho, é incapaz de cruzar a barreira da pele (desde que não apresente lesões)28.

Quem tem algum tipo de intolerância ao glúten costuma nos perguntar se pode usar cosméticos com glúten ou não. De acordo com as evidências científicas disponíveis até o momento:

  • Quem têm Doença celíaca ou sensibilidade ao glúten não celíaco pode usar cosméticos com glúten, pois é a sua ingestão que leva à manifestação dos sintomas e não a sua aplicação tópica. No entanto, é importante que eles busquem não ingerir os produtos que se aplicam, por isso é aconselhável evitar batons, cremes para o rosto, cremes para as mãos, dentifrícios, xampus e condicionadores que possam conter glúten28,29.
  • Quem tem alergia ao trigo, deve evitar exposição alimentar, respiratória e cutânea trigo e seus derivados21,28.

Dito isso, vale esclarecer que é super compreensível que quem tem algum tipo de intolerância ao glúten opte por produtos livres de glúten por cautela.

Como identificá-lo na fórmula

Um dos vícios que temos no TCL são as fórmulas radiológicas. ;) Se você deseja evitar o glúten em seus cosméticos, aqui está um guia para detectá-lo:

  • Derivados de trigo geralmente eles conterão um destes termos: Trigo, Triticum vulgare ou Gliadina
  • Derivados de cevada geralmente terão as palavras Barley, Malt, Hordeum vulgare ou Hordeum distichon
  • Derivados de centeio eles terão as palavras Centeio ou Secale cereale
  • Derivados de aveia eles geralmente contêm um destes termos: Avena sativa, Oat ou Oatmeal

Em relação aos produtos TCL, nenhum contém ingredientes derivados de trigo, aveia, cevada e centeio. :) 

Quer você vá evitar o glúten em cosméticos ou não, lembre-se de que outros ingredientes para deixar de fora das fórmulas são álcool, fragrâncias e óleos essenciais. ;) 

Esperamos que tenha sido útil!

Permanecemos disponíveis para qualquer consulta,

The Chemist Look Team

  1. Bascuñán KA, Vespa MC, Araya M. Celiac disease: understanding the gluten-free diet. Eur J Nutr. 2017;56(2):449‐459.
  2. Federación de Asociaciones de Celíacos de España. ¿Es seguro incluir la avena en la Dieta Sin Gluten?
  3. Pinto-Sánchez MI, Causada-Calo N, Bercik P, Ford AC, Murray JA, et al. Safety of Adding Oats to a Gluten-Free Diet for Patients With Celiac Disease: Systematic Review and Meta-analysis of Clinical and Observational Studies. Gastroenterology 2017;153:395–409.
  4. Catassi C, Fabiani E, Iacono G, et al. A prospective, double-blind, placebo-controlled trial to establish a safe gluten threshold for patients with celiac disease. Am J Clin Nutr. 2007;85(1):160‐166.
  5. Lamacchia C, Camarca A, Picascia S, Di Luccia A, Gianfrani C. Cereal-based gluten-free food: how to reconcile nutritional and technological properties of wheat proteins with safety for celiac disease patients. Nutrients. 2014; 6 (2): 575-90.
  6. Cornicelli M, Saba M, Machello N, Silano M, Neuhold S. Nutritional composition of gluten-free food versus regular food sold in the Italian market. Dig Liver Dis. 2018;50(12):1305‐1308.
  7. Kasarda DD. Can an increase in celiac disease be attributed to an increase in the gluten content of wheat as a consequence of wheat breeding?. J Agric Food Chem. 2013;61(6):1155‐1159.
  8. Reig-Otero Y, Mañes J, Manyes i Font L. Sensibilidad al gluten no celiaca (SGNC): manejo nutricional de la enfermedad. Laboratorio de Seguridad alimentaria y Toxicología. Universitat de València. Burjassot (València). Nutr. clín. diet. hosp. 2017; 37(1):171-182
  9. Hollon J, Puppa EL, Greenwald B, Goldberg E, Guerrerio A, Fasano A. Effect of gliadin on permeability of intestinal biopsy explants from celiac disease patients and patients with non-celiac gluten sensitivity. Nutrients. 2015;7(3):1565–1576.
  10. Obrenovich MEM. Leaky Gut, Leaky Brain?. Microorganisms. 2018;6(4):107.
  11. Enfermedad celíaca. Luis Rodrigoa,b, José A. Garroteb,c y Santiago Vivasb
  12. Tommasini, A; Not, T; Ventura, A (agosto de 2011). «Ages of celiac disease: from changing environment to improved diagnostics» [Edades de la enfermedad celíaca: desde la modificación del ambiente al diagnóstico mejorado]. World J Gastroenterol (Revisión) (en inglés) 17 (32): 3665-71.
  13. MINISTERIO DE SANIDAD Y CONSUMO, ed. (2008). «Diagnóstico precoz de la enfermedad celíaca».
  14. Humbert, P.; Pelletier, F.; Dreno, B.; Puzenat, E.; Aubin, F. Gluten intolerance and skin diseases. Eur. J. Dermatol. 2006, 16.
  15. Rodrigo, L (2008). «La enfermedad celíaca en el adulto». Libro blanco de la ENFERMEDAD CELÍACA: 28-39.
  16. World Gastroenterology Organisation Global Guidelines (July 2016). «Celiac disease». Consultado el 21 de diciembre de 2016.
  17. The National Institute of Diabetes and Digestive and Kidney Diseases, National Institutes of Health, US Department of Health and Human Services, Bethesda, MD (2016). «Definition and Facts for Celiac Disease». Consultado el 3 de marzo de 2017.
  18. Federación de asociaciones de celíacos de España. Qué es la enfermedad celíaca.
  19. Mearns, E. S., Taylor, A., Thomas Craig, K. J., Puglielli, S., Leffler, D. A., Sanders, D. S., Lebwohl, B., & Hadjivassiliou, M. (2019). Neurological Manifestations of Neuropathy and Ataxia in Celiac Disease: A Systematic Review. Nutrients, 11(2), 380.
  20. Al-Toma, A., Volta, U., Auricchio, R., Castillejo, G., Sanders, D. S., Cellier, C., Mulder, C. J., & Lundin, K. (2019). European Society for the Study of Coeliac Disease (ESsCD) guideline for coeliac disease and other gluten-related disorders. United European gastroenterology journal, 7(5), 583–613.
  21. Ricci G, Andreozzi L, Cipriani F, Giannetti A, Gallucci M, Caffarelli C. Wheat Allergy in Children: A Comprehensive Update. Medicina (Kaunas). 2019;55(7):400.
  22. Cianferoni A. Wheat allergy: diagnosis and management. J Asthma Allergy. 2016;9:13‐25.
  23. Federación de asociaciones de celíacos de España. Sensibilidad al gluten no celíaca.
  24. Sapone, A; Bai, JC; Ciacci, C; Dolinsek, J; Verde, PH; Hadjivassiliou, M; et al. (2012). «Spectrum of gluten-related disorders: consensus on new nomenclature and classification». BMC Med (Revisión) 10: 13.
  25. Non coeliac gluten sensitivity – A new disease with gluten intolerance. Grażyna Czaja-Bulsa.
  26. Ministerio de la salud. Cuadernillo de orientación para celíacos.
  27. US Food and Drug Administration. Gluten and Food Labeling.
  28. National Celiac Association. Are gluten-free skin and body products important for people with celiac disease?
  29. Thompson T, Grace T. Gluten in cosmetics: is there a reason for concern?. J Acad Nutr Diet. 2012;112(9):1316‐1323.
Reivindicações / nossa abordagem

Deixe um comentário

Todos os comentários são moderados antes de serem publicados.